Carnaval no Recife

Na semana pré-carnavalesca dá pra esquentar o passo e conhecer melhor a cidade. Durante o dia, alguns museus oferecem um panorama da cultura popular e das origens do carnaval local. Para entender melhor sobre o principal ritmo do carnaval local, o Passo do Frevo é, além de museu, um centro de documentação, pesquisa e salvaguarda do frevo, que é patrimônio imaterial da humanidade (UNESCO). Ainda no centro da cidade, passe pelo Pátio de São Pedro para conferir a belíssima e recém restaurada Concatedral de São Pedro dos Clérigos. Lá, conheça a história do Mangue Beat no Memorial Chico Science e as exposições do Núcleo Afro do Recife. Na casa em que foi fundado um dos mais tradicionais blocos de carnaval da cidade, o Batutas de São José, está o Bar Buraco do Sargento, com fotos antigas e iguarias regionais. Se quiser almoçar, no pátio há restaurantes tradicionais como o Buraquinho e o Banguê. Se puder esticar até o bairro de Casa Forte, não deixe de conhecer o Museu do Homem do Nordeste, onde há um pouco sobre a história e cultura da região, inclusive peças do lendário Maracatu Elefante, fundado no ano de 1800. Durante a noite, a terça negra oferece encontro de atrações como maracatus, coco e afoxé no Pátio de São Pedro.

Roteiros:

Na quinta-feira da semana pré já tem o galo gigante montado na ponte e parte das ruas do centro já estão interditadas para carros, sendo uma boa oportunidade para explorar o centro a pé. Aproveite para conhecer algumas igrejas que são verdadeiros tesouros artísticos como a Capela Dourada, a Basílica do Carmo e Concatedral de São Pedro dos Clérigos. Transite pelo camelódromo entre fantasias e adereços para garantir um look especial pra folia. No bairro de São José, vale uma visita ao Forte das Cinco Pontas, que abriga o Museu da Cidade do Recife. Em frente ao forte, um famoso caldo de cana ajuda a refrescar a caminhada. Siga para a Rua das Calçadas até o Mercado de São José com suas frutas, verduras, temperos, ervas, artesanato e sua vizinha Basílica da Penha. À noite, o destino é o Marco Zero, para assistir ao espetáculo Tumaraca, um encontro de 500 batuqueiros de maracatu, abrindo alas para o carnaval, regidos por 13 mestres de maracatu nação em homenagem a Naná Vasconcelos. Sexta é o grande dia de aberturada folia. Prepare as energias para já de tarde circular pelo Bairro do Recife. Na Central do Carnaval, serviços de gastronomia, customização, caixas eletrônicos e venda de adereços servem como um começo ou uma pausa para reabastecer. Pelas ruas, blocos, troças, grupos fantasiados e milhares de foliões se misturam e se direcionam para o principal palco da festa, que exatamente no dia do frevo, terá uma grande festa com os mais legítimos representantes do ritmo comandando a folia.

No Sábado o dia é do galo. Milhões (isso mesmo, milhões) de foliões invadem o centro da cidade para saudar o rei do carnaval de Pernambuco. Inúmeros camarotes, varandas, janelas se enfeitam para ver a passagem do clube de máscaras que arrasta pelas ruas um mar de gente. Fantasias coloridas e irreverentes dão a tônica do desfile que se arrasta até o fim da tarde e até o rio Capibaribe se enche de embarcações para curtir a festa. Chegue cedo para conferir os grupos fantasiados, a clarinada e os carros alegóricos que abrem o cortejo, seguido por dezenas de trios elétricos. Para esticar a folia, o Recife Antigo tem opções que vão do Marco Zero ao polo alternativo do RecBeat. Confira a programação.

Domingo – Para recompor as energias, vale a pena sentar na praia de Boa Viagem, tomar um banho de mar e água de coco para hidratar. Caso esteja cansado do sol do sábado, vá até o Parque da Jaqueira e passeie pelas sombras das acácias. Pegue uma bicicleta e pedale observando os palacetes da Avenida Rui Barbosa, antigas residências aristocráticas da civilização do açúcar. Uma pausa no Jardim do Baobá para tirar uma foto no píer do Rio Capibaribe ou contemplar a centenária e gigantesca arvore pode ser interessante.  Já na vizinha Olinda, centenas de blocos e agremiações circulam pelas ladeiras, inclusive o Enquanto isso na Sala de Justiça. À tarde, o Recife Antigo recebe o encontro de Maracatus rurais, uma oportunidade de ver de perto o brilho e plástica dos caboclos de lança, que neste dia saem das zonas canavieiras e colorem as ruas da cidade. Os polos do centro e dos bairros oferecem shows com atrações locais e nacionais. No polo das agremiações, é o dia do desfile de maracatus de baque virado e caboclinhos, uma passarela por onde passam grandes nações de maracatu disputando o título de campeão do carnaval. As arquibancadas são gratuitas.

Segunda – Depois de um café reforçado, vale a pena embarcar em um catamaran para conhecer a cidade a partir do rio. O passeio passa sob as pontes do centro e apresenta algumas histórias e construções da cidade. Para os foliões dispostos, sempre vale a pena fazer a casadinha Olinda-Recife, aproveitando a folia nas ladeiras da cidade patrimônio da humanidade. Já de tarde, o Recife Antigo recebe o encontro de Blocos Líricos, que trazem belas fantasias e canções exaltando os antigos carnavais. À noite, confira a Noite dos Tambores Silenciosos, uma experiência mágica que une religião e folia, quando as nações com suas cortes saúdam os ancestrais na porta da Igreja de Nossa Senhora do Terço. O ápice do evento é à meia-noite.

Terça – Na manhã de terça, o imperdível é o Encontro de Bonecos Gigantes de Olinda, que começa às 09h, no Largo do Guadalupe. Centenas de bonecos saem em desfile pelas ladeiras do Sítio Histórico, oferecendo folia e um visual deslumbrante. No Recife, não deixe de conferir o show de encerramento com a apoteose do frevo, que amanhece o dia arrastando os foliões pelas ruas do bairro. Na passarela, clubes de frevo desfilam suas fantasias e alas. Caso não se conforme, siga novamente para Olinda já pela manhã de quarta para o Bacalhau do Batata ou para o Mercado da Boa Vista, para uma maravilhosa manhã de sol.

Pin It on Pinterest